Quem é Olavo de Carvalho? Vídeo e Entrevista da Filha Heloisa.

Conhecer Olavo de Carvalho, atualmente autodeclarado filosofo e figura influente da ultra-direita e “guru de Bolsonaro” é uma das tantas necessidades dos tempos em curso.
Daí que, se traz a conhecimento um vídeo a dar conta deste personagem e recente entrevista de sua filha à revista Carta Capital.
Boa leitura.

Olavo de Carvalho criou filhos fora da escola e em comunidade islâmica

por Gustavo Aranda e Vinícius Segalla — publicado 04/12/2018 19h48, última modificação 05/12/2018 10h14
Primogênita do “guru de Bolsonaro” conta por que só foi alfabetizada quando era adolescente e como se casou em uma mesquita aos 16 anos de idade

O autodeclarado filósofo Olavo de Carvalho alcançou os holofotes que sempre perseguiu. olavo.jpgEspécie de guru do presidente eleito Jair Bolsonaro e de vários de seus assessores, o astrólogo de formação indicou dois ministros para postos influentes na Esplanada dos Ministérios: Ernesto Araújo nas Relações Exteriores e Ricardo Vélez Rodríguez na Educação.

Olavo de Carvalho figura na extrema-direita do espectro político. No campo dos costumes, define-se como um “profundo conservador”, além de cristão praticante. No documentário de 2017, “Jardim das Aflições”, Carvalho aparece em missas católicas nos Estados Unidos, ora antes das refeições com a mulher e filhos e desfia um rosário de ideias em defesa da família, do amor e da fé. Como se vê no filme, ele compreende o cristianismo – o catolicismo em especial – “como uma verdade e não como uma crença.”

 Conhecer um pouco da história do “filósofo” serve para decifrar suas obsessões atuais. A defesa da perseguição a professores e o desapreço pelo ensino formal não são novidades em sua vida, conforme relata sua filha Heloisa de Carvalho em entrevista a CartaCapital.

Hoje com 49 anos, ela revela que, na década de 1980, foi impedida pelo pai de frequentar a escola. Só viria a aprender a ler na adolescência, embora o progenitor tenha particular apreço em definir os desafetos como “analfabetos funcionais“.

A alfabetização só aconteceria por intervenção de uma tia, inconformada com a situação , que a inscreveu no Mobral, programa de combate ao analfabetismo criado pela ditadura.

Heloisa conta também que Olavo de Carvalho, hoje ferrenho defensor da fé cristã e dos valores tradicionais da família, viveu com sua família por mais de cinco anos em uma comunidade esotérica muçulmana, em companhia de 20, 30 fieis. O grupo dividia quartos. Neste período, diz a filha, Carvalho era adepto da poligamia, mantendo por perto até três esposas ao mesmo tempo. Confira abaixo os principais trechos da entrevista. Procurado pela reportagem, Olavo de Carvalho não respondeu até a publicação desta reportagem.

1 – Filhos fora da escola

Heloisa cursou a primeira série do ensino fundamental aos sete anos, tendo passado os seis seguintes longe da escola, assim como seus outros dois irmãos, então em idade colegial. Segundo conta, o “abandono intelectual” a que o pai lhe submeteu foi o único motivo para sua falta de ensino durante a infância. Foi só em 1983, quando tinha 12 anos, que voltou a estudar, ao deixar a casa do escritor para morar com uma tia materna, que tomou a decisão de colocar a sobrinha na escola.

Já os outros irmãos, que dependeram apenas de Olavo e da mãe para estudar, não passaram da quarta série até hoje, afirma Heloisa.

2 – Tentativa de suicídio da mãe

Quando Heloísa tinha dez anos, viu sua mãe tentar dar cabo de sua própria vida, cortando os pulsos dentro de uma banheira.

O motivo: depressão profunda em virtude do casamento com Olavo de Carvalho, que se relacionava com outras mulheres sem tentar esconder. “A situação estava muito difícil para ela. A gente estava sem dinheiro, prestes a sermos despejados por falta de aluguel, e meu pai constantemente se envolvia com outras pessoas”, relata a filha.

O casamento chegou ao ponto do insustentável. Olavo saiu de casa. Na sequência, o resto da família foi despejada. Sem opção, a mãe e os filhos foram morar nos fundos da Escola Júpiter, onde Olavo dava aulas de astrologia.

A saúde psíquica da mãe foi se deteriorando. Num certo dia, foi Heloisa quem primeiro viu a mãe na banheira, a água vermelha com seu sangue, e gritou por socorro. Antes que a colocassem na ambulância, no entanto, o escritor decidiu ensinar uma lição aos filhos. “Ele pegou dois dos meus irmãos pelos braços e levou para o lado da maca onde estava minha mãe, com dois panos empapados de sangue em volta dos pulsos. Eles estavam chorando muito, muito chocados, eram novinhos, o mais velho tinha sete anos. O Olavo disse, ‘Olhem bem pra ela! Vejam porque é preciso ser forte, está na hora de virarem homens!'”

3 – Abandono intelectual, o Mobral e a alfabetização tardia

Com a mãe tendo sobrevivido, mas ainda adoentada, Heloísa foi morar com Olavo e sua nova esposa. Foi quando ele a colocou de volta na escola. Ela tinha de 11 para 12 anos e entrou na segunda série do ensino fundamental, com crianças muito novas. “Eu tinha que ir de perua para escola, mas às vezes eles não pagavam, às vezes não tinha uniforme, muitas vezes eu faltava porque não aguentava estudar ali com tanta gente mais nova, e meu pai não ligava, deixava eu faltar, nem queria saber. Eu ficava a maior parte do tempo sozinha em casa, às vezes sem comida, e a mãe de uma amiguinha do prédio me levava para tomar lanche na casa dela”.

Naquele tempo, os três irmãos de Heloísa moravam com uma tia e começavam a estudar por conta da parente. “Já eu não consegui completar a segunda série, e ficava o dia todo em casa, até minha madrasta ficar grávida do Olavo. Seria seu quinto filho”.

Acompanhando de longe a situação e preocupada com a sobrinha, a tia foi falar com Olavo e disse que queria levar a menina para morar com ela. “Ele aceitou facilmente. Então, essa minha tia me colocou para estudar. Eu frequentava o Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização), em uma favela perto de casa, à noite. A sala de aula só tinha adultos. Agora, eu era a mais nova da classe. Morria de vergonha de estudar no Mobral, nunca contei pra ninguém que foi ali que aprendi de verdade a ler, escrever e as quatro operações matemáticas”.

4 – A vida coletiva, a poligamia e o islamismo esotérico

O tempo passou, com Heloísa morando com a tia e falando com o pai por telefone, uma vez a cada dois, três meses. Entre os 13 e 14 anos, recebeu a visita da mãe, que recobrara a saúde e lhe trazia uma grande novidade. “Ela disse que estava bem melhor. Falou que agora era uma boa amiga do Olavo, que tinha se separado de sua segunda esposa e agora morava em uma casa grande na região central de São Paulo. Ela me disse que tinha conversado com meu pai e queria que eu fosse morar com eles e com meus irmãos naquela casa”.

Ela diz ter ficado muito contente, seriam uma família de novo. Mas alegria durou pouco. “Chegando lá, vi que não moravam no local só o Olavo, minha mãe e meus irmãos. Na verdade, meu pai estava morando em uma casa coletiva, com mais umas 30 pessoas, em quartos com beliches e triliches.”

Heloisa ainda não sabia, mas ali funcionava uma tariqa, um centro de estudos esotéricos sobre o islamismo. Seu pai tinha se convertido, era então um muçulmano, fazia as cinco rezas diárias voltado para a cidade de Meca. Mas não foi isso o que mais surpreendeu a jovem. “Ele havia aderido à poligamia, tinha três esposas, a Roxane, a Meri Harakawa e a Tereza”, relembra.

Foi neste ambiente que Heloísa passou a viver. Com o tempo, se converteu ao islamismo também, junto com os irmãos. Conheceu ali mesmo naquela casa um outro jovem muçulmano, com quem se casou aos 16 anos, sob os olhos do pai, que fez constar na certidão de casamento o valor do dote devido pelo esposo, como se pode ver na reprodução do documento abaixo, assinado por Olavo.

A certidão de casamento da filha de Olavo em uma mesquita. O nome do marido foi apagado a pedido de Heloisa

5 – O rompimento formal e os dias de hoje

Assim se encerrou a fase de infância e adolescência da vida de Heloísa de Carvalho, filha de Olavo, guru de Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil.

Nos anos e décadas seguintes, ela se mudou com o marido, concluiu os estudos, teve seu primeiro e único filho. Já seu pai deixou o islamismo, voltou a ser cristão, teve mais dois filhos, se mudou para a Romênia, depois de volta ao Brasil, depois para os Estados Unidos, onde vive até hoje.

Pai e filha mantiveram uma relação distante porém cordial ao longo de todo este tempo. No ano passado, porém, uma equipe de cineastas lançou um documentário sobre a vida e a obra de Olavo de Carvalho. Um deles, o diretor de fotografia, brigou com o resto da equipe no meio do projeto. Não concordava com a forma como o escritor estava sendo retratado. Achou que não estava fiel aos fatos. Passou a ser criticado e perseguido nas redes sociais pelos seguidores de Olavo de Carvalho. Heloísa, acompanhando de longe a polêmica via redes sociais, resolveu intervir quando achou que o cineasta estava sendo perseguido demais, injustamente demais.

“Liguei para meu pai, defendi aquele profissional. Ele ficou fulo da vida. Me disse: ‘Sua puta, vagabunda. Se juntou com maconheiro para me ferrar?’ E desligou o telefone na minha cara. Nós nunca mais nos falamos depois disso. Desde que isso aconteceu, eu passei a reviver toda a minha vida, desde criança, com meu pai, minha família. Comecei a ver o quanto eu sofri por não ter ido à escola, por ter vivido de casa em casa, largada e jogada de lá para cá. Eu precisava contar tudo isso para me libertar. E também queria que se conhecesse essa história, que ela fosse contada”. Pois contada está.