Jovens detidas em ato contra Temer relatam momentos de terror nas mãos da BM

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Débora Fogliatto

A estudante de Jornalismo Carolina Fortes foi ao ato da última sexta-feira (13) para protestar, de forma independente e apartidária, contra o Estado que aponta ser “machista, racista, homofóbico e lesbofóbico”. Ela era uma das milhares de manifestantes no ato contra o governo interino de Michel Temer, mas, quando a Brigada Militar começou a disparar bombas de gás e Carolina se perdeu das amigas, ficou sozinha na avenida Loureiro da Silva, já esvaziada devido ao gás lacrimogêneo, e foi abordada por dois homens, que não estavam fardados. Foi nesse momento que a jovem de 20 anos começou a ser agredida de diversas formas, tanto por eles, que, segundo ela, eram policiais infiltrados no ato, quanto por outros brigadianos que chegaram depois. Outras três meninas que viram as agressões e tentaram ajudá-la acabaram também sendo vítimas de violência e abuso de poder. As quatro foram algemadas e presas.

Com idades entre 20 e 25 anos, as quatro receberam inicialmente acusações de desacato, as quais depois foram agravadas para “tentativa de agressão” e “resistência à prisão”. Nesta terça-feira (17), de forma calma, porém indignada, elas relataram à imprensa o acontecido naquela noite, em entrevista coletiva na sede da Ajuris. A conversa foi mediada pelo desembargador Francesco Conti, da Rede de Direitos Humanos do Sistema de Justiça e Segurança do Rio Grande do Sul.

A artista visual e mestra em Artes Alexandra Kern Assumpção acompanhou todo o protesto, desde o início filmando e fotografando, material que depois usaria em trabalhos. Ela, que foi ao ato por entender que “a cultura está sendo destruída, assim como os direitos das mulheres”, foi surpreendida pelas bombas de gás lacrimogêneo e, após receber ajuda e se recuperar do efeito, ouviu um grito e viu dois homens batendo em uma mulher. “Eu não conhecia a Carol, não sabia quem ela era. Mas vi que ela estava vulnerável naquela situação, então corri na direção dela. Eu achei que a polícia que vinha atrás de mim ia nos ajudar, mas na verdade, fui presa. Fui arrastada, quase quebraram meus braços”, contou Alexandra.

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foi apenas quando ela já estava na viatura policial, após ser arrastada, que viu que sua amiga Nicole Loss também havia sido detida. “No caminho até lá, eles não colocaram cinto de segurança em mim. Chegando na delegacia, ficamos seis horas algemadas sem necessidade. Eu fiquei três dias sem conseguir levantar os braços. Mas eu ajudaria qualquer mulher naquela situação, faria tudo de novo”, garante. Assim como Alexandra viu Carolina sendo agredida, Nicole viu as duas e também foi tentar socorrê-las. Tudo aconteceu em um “efeito dominó”, conforme elas definiram. “Eu estava saindo quando vi a Carol no chão e a Ale sendo carregada. Fui até elas e cinco policiais me cercaram, me carregaram pelo pescoço. Levei duas cacetadas quando já estava algemada”, contou.

Júlia Gomes da Costa, que estuda Direito e é assessora jurídica do grupo G10 do Serviço de Assessoria Jurídica Universitária (SAJU) da UFRGS, por sua vez, viu as amigas Alexandra e Nicole sendo atacadas pelos policiais, conforme relatou, e decidiu tentar ajudá-las. A universitária foi então atingida por dois tiros de balas de borracha e uma bomba de gás, que caiu no seu pé. O tiro na perna, próximo ao joelho, foi o mais grave, e provocou um ferimento profundo, fazendo com que ela precise caminhar com o auxílio de muletas. “Eu saí de lá depois de ser atingida, porque vi que não ia levar a nada, descobri em qual Delegacia de Polícia elas estavam. Fui tanto para ajudá-las, quanto para registrar o que tinham feito comigo. Chegando lá, onde elas já estavam, um policial militar me olhou e disse que iria me deter porque eu estava na manifestação”, relatou Júlia, destacando que sabe que sua prisão foi arbitrária.

Júlia e Carolina foram as mais gravemente feridas e, durante a madrugada, tiveram permissão para ir ao Hospital de Pronto Socorro tratar os machucados. Carol relata que foi agredida diversas vezes, inicialmente pelos dois homens não fardados que a abordaram e disseram para ela “ficar bem quietinha”, começando a agredi-la. “Eles me colocaram no chão, me agrediram, e um policial chegou e começou a me agredir também. Eles me enforcaram, tive que implorar para parar. Foram me levando de forma extremamente violenta, pedi de novo para ele parar, eu já estava algemada com duas algemas, uma das quais estava muito apertada. Do nada, uma policial me bateu com um cassetete, fiquei com hematomas na barriga”, relatou.

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Ao ser colocada na viatura, pediu se poderia ir com as outras meninas até lá, mas a requisição foi negada. “Um policial ainda me disse que era para eu ‘avisar meus amigos que iam levar bala’ se viessem me ajudar”, disse Carolina. Mesmo para o HPS, ela e Júlia foram levadas algemadas e, após serem atendidas, retornaram à delegacia, de onde, após os policiais registrarem o boletim de ocorrência contra elas, seguiram para o Instituto Médico Legal (IML) para fazer o exame de corpo de delito. “Foi completamente desproporcional, contra meninas que não ofereciam nenhum perigo contra eles. Foi abuso de poder e de autoridade”, classificou Carolina.

Foi apenas quando os advogados chegaram à 3ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, no bairro Navegantes, onde as meninas estavam, que elas se sentiram um pouco mais tranquilas. As jovens avaliam que a escolha do local foi feita para dificultar o acesso de manifestantes que poderiam ir procurá-las e apoiá-las. “Eu não tinha nem como voltar para casa, sorte que os advogados nos auxiliaram e nos deram carona”, afirmou Nicole.

Ao chegar na delegacia, a advogada Jucemara Beltrame conta que viu Alexandra e Nicole algemadas, cercadas por oito policiais, como se fossem “muito perigosas”. “Eu pedi para falar com elas, me apresentei, pedi que soltassem as algemas e disseram que não podiam, porque a chave estava com o policial que escoltou as outras duas meninas para o HPS”, relatou. Após o retorno de Carolina e Júlia, as algemas de todas elas foram tiradas. Desde o protesto até o momento em que foram liberadas da delegacia, as meninas ficaram envolvidas nisso por cerca de 8 horas.

O advogado Darcy Moraes, que também está representando as jovens, apontou que “de vítimas, elas passaram a agressoras” ao serem acusadas pelos policiais. Ele afirmou que os policiais que participaram da ação estão sendo identificados e serão “denunciados e investigados” pelos seus atos. Jorge Garcia, outro advogado que representa as jovens, disse que o grupo irá ajudar na defesa, a partir da perspectiva de que a acusação de lesão corporal contra elas é “impensável”. “Isso é absurdo e inaceitável. Vamos estudar as medidas cabíveis, é necessário que o Judiciário e o Ministério Público tenham ciência do que aconteceu”, garantiu.

Com Sul 21