Globo e Moro mandam os limites às favas e assumem descaradamente o golpe

Por Renato Rovai

As Organizações Globo e o juiz Sérgio Moro assumiram a guerra contra Lula e Dilma como uma questão de honra. E lançaram todos os limites institucionais e legais na lata do lixo.

Com a posse de Lula eles perceberam que as coisas poderiam mudar.

A bolsa subiu, o dólar caiu e não foram poucos os sinais de partidos políticos de que se poderia retomar a conversa da governabilidade em outro tom.

Mas aí o juiz Sérgio Moro divulga, de forma ilegal segundo alguns juristas, grampos do telefone do ex-presidente Lula, incluindo o de uma conversa realizada hoje com a presidenta Dilma.

E a Globo transforma essas conversas onde o presidente fala merda, porra e puta que o pariu e ri de frases bobas do prefeito do Rio de Janeiro na maior crise política de todos os tempos.

Mas não é só isso.

A emissora desde o final da tarde passou a agitar duas manifestações, uma na Avenida Paulista e outra na frente do Palácio do Planalto.

O esquenta desses atos foi realizado pela GloboNews para que as cenas pudessem ser divulgadas e ampliadas no Jornal Nacional.

Durante toda a programação do JN, Bonner chamava os repórteres que estavam nesses locais. E mesmo com toda a força que fizeram, os atos começaram e terminaram o programa do mesmo tamanho. Como não deu certo, eles continuavam a convocação no intervalo da novela das 21h

Não foi pouca coisa o que a Globo e o juiz Sérgio Moro fizeram hoje.

Eles arriscaram literalmente tudo.

Para se ter uma ideia da gravidade da decisão de Moro, quando o ministro Teori Zavascki, do STF, recebeu as gravações que incriminavam Delcídio, antes de tomar qualquer decisão ele chamou os seus pares do Supremo para conversar. E só depois de obter a concordância deles, autorizou a prisão do senador.

E ainda só depois disso, divulgou o material para a imprensa.

Moro tinha um áudio de uma conversa com a presidenta da República que aconteceu hoje à tarde. E divulgou tudo na própria tarde. Para um único veículo de comunicação, a Globo.

Sem ouvir ninguém.

Essa ousadia de Moro é algo sem comparação na história.

Se isso passar incólume, será difícil seguir em frente.

O que aconteceu hoje de grave não foram as merdas e porras que o Lula falou nos grampos vazados. Mas as brechas que essa irresponsabilidade de Moro abrem para uma ditadura midiático-judicial.

Se nada for feito, qualquer juiz com holofotes e proteção da mídia pode fazer o que bem entender. Como alguns, diga-se, já têm feito.

E isso não é democracia.

Isso é uma forma de fascismo.

Fonte: Blog do Rovai

#ExoneraMoro