Ministro da Justiça: “não haverá diálogo com as “corporações que queiram na base da cotovelada descredenciar outros órgãos de Estado”.

O novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, afirmou nesta quinta-feira (17) que “ninguém” no Brasil tem o “monopólio da moralidade”.

“Não existe ninguém neste país com o monopólio da moralidade, o monopólio da salvação da pátria”, afirmou, em discurso de transmissão de cargo na sede do Ministério da Justiça. “Infelizmente nosso Estado tem ao longo dos anos visto a apropriação das instituições por corporações. Corporações não cultivam alteridade, mas seu umbigo”, ressaltou.

Aragão, que substitui Wellington César Lima e Silva, afirmou que não haverá diálogo com as “corporações que queiram na base da cotovelada descredenciar outros órgãos de Estado”.

Ele destacou ainda que não aceitará a disputa entre Ministério Público e Polícia Federal pelo poder de investigação. ‘Não interessa à sociedade se a polícia ou o Ministério Público vai fazer a investigação. Isso é uma briga paroquial”, disse o novo ministro.

Fonte: Conversa Afiada